quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Voltando, triste, um texto que reflete meu estado de espírito.

Não Sou
Não sou a tal fortaleza...
tenho meus abismos pelos quais quero despencar.
Não sou só sorrisos...sinto gosto de lágrimas na boca.
Não sou a porta escancarada...
muitas vezes sou solidão presa aos meus próprios grilhões.
Não sou uma eterna felicidade...sei me permitir sentir dor.
Não sou somente o carinho...posso ser faca e cortar sem dó.
Não sou apenas ouvinte...preciso tanto gritar!
Não sou cego...mas preciso não ver tudo.
Não sou sempre a luz...não temo a escuridão.
Não posso ser sempre o colo...preciso de um para poder chorar.
Posso um dia ser isso...amanhã aquilo.
Porque se o mundo pode, eu também.
Posso não ser o que querem ver, mas posso ser o que quero ser!
Não sou um momento qualquer, sou o meu.
Porque apesar do que sou, muitas vezes...não consigo ser!
_É através deste texto que expresso como me sinto hoje.
As palavras não são capazes de traduzir tudo o que se passa dentro do
meu coração.
Sei que não sou a única que sofre, nem sou a única que passa por
momentos de dificuldades na vida.
Mais as vezes parece que tudo está vindo contra mim, e as tempestades
parecem ser grandes e perigosas demais, não deixando assim que eu
consiga ver uma luz no fim do túnel.
Desde a minha última postagem muitas coisas aconteceram na minha vida.
Nem sei por onde que eu começo contando.
1º: Não fiz o veste.
Apesar de ter feito 481,700 pontos no Enem, essa nota não foi suficiente
para que eu passasse para a 2ª fase.
Com isso fiquei me sentindo a pessoa mais burra do mundo. Aquela que nem
tem capacidade em ir bem em uma prova como esta.
Parece que tanto estudo no ano passado não valeu de nada, pois meu
objetivo não foi alcançado, e a minha facul de psico vai ter que esperar
mais um tempo.
2º: O Carlos acabou sofrendo um acidente super grave quando foi buscar a
Alice na Ufes.
Ele caiu em uma calçada que tem aqui na praia de Camburi, de uma autura
de mais de 1 metro e 30.
Com isso tudo ele acabou quebrando o braço esquerdo e machucando um osso
da bacia, o que dificultava a sua locomoção.
Fiquei indignada quando ele me ligou contando o fato, pois os prefeitos
e governadores só pensam em realizar as obras visando aqueles que podem
enxergar.
Enquanto isso quem é dv que se lasque, pois não tem nenhuma calçada
acessível.
3º: Eu fui fazer mais uma entrevista frustrante.
Através do Thiago, (um colega meu) fiquei sabendo que a Embratel estava
contratando deficientes.
E depois eu acabei vendo isso em um jornal que a minha mãe leu pra mim.
Daí na terça, dia 22/01 eu fui la para fazer uma entrevista e saber como
que funcionavam as coisas.
Cheguei la por vollta de 8:40 e tive que esperar mais de uma hora, até
ser chamada.
Quem me buscou na recepção foi uma moça super simpática chamada Ana
Paula, (que seleciona os candidatos pra próxima fase do processo de
seleção).
Ela me locomoveu de uma forma super tranquila, e me deu a entender que
ja tinha feito aquilo outras vezes.
Cheguei em uma sala onde estavam mais 4 pessoas respondendo a um
questionário.
Ops, como eles iam fazer comigo?
Esta foi a pergunta que eu me fiz naquela hora.
Mais resolvi aguardar até que a Ana Paula voltasse.
(Ela tinha ido ver como que seria o meu processo de seleção).
Enquanto ela não voltava, fiquei batendo um papo com as outras pessoas
que estavam junto comigo na sala.
Por falha minha, acabei não perguntando seus nomes, mais eles foram
super legais comigo, e me ajudaram a ficar mais calma, pois eu estava
uma pilha de nervos.
Depois de muito papo eles foram sair da sala, pois ja tinham acabado de
responder todas as perguntas, e eu fiquei sozinha la.
Alguns minutos depois reapareceu a Ana Paula, que começou a me fazer as
perguntas do questionário, que eram basicamente sobre o pc.
Eu fui muito bem, e acertei quase todas, mais nem essa certeza tirou de
mim a sensação de que isso não ia dar em nada.
Depois de responder tudo aquilo, ficamos conversando e eu acabei
descobrindo que ela também faz psico.
Trocamos figurinhas sobre vários assuntos relacionados a esta área, e eu
gostei muito dela.
Depois eu fui fazer um lanche, sedido pela empresa e acabei encontrando
a Flávia, (Uma amiga de infância), quem leu meu livro sabe quem é ela.
Depois que eu voltei pra sala, a Ana Paula me da a notícia de que os
chefes maiores disseram que não poderiam me contratar, pois não tinham
estrutura para me receber.
Daí eu me pergunto:
"Por quê que uma empresa coloca em um jornal, ou anuncia que está
procurando deficientes, sendo que quando chegamos la, elas não estão
preparadas, (nem querem se preparar) para nos receber?
Onde que está a inclusão que é tão falada por aí?
Não sei as respostas para estas perguntas, e até hoje fico me
perguntando tudo isso.
Depois eu fui pra casa desiludida da vida, pois tinha ido pra la,
depositando várias esperanças, e mais uma vez me frustrei bastante.
No dia 30/01 eu voltei pra net, e quase que eu perdi a Dorinha nesse
dia.
Só que eu não imaginava o que viria a seguir.
Na quinta, dia 31/01 eu tive que viajar as pressas pra Mg, pois o
padrinho da minha mãe acabou falecendo, e eu tive que ir junto.
Odiei isso, pois la é só roça, e eu não curto muito isso.
Fora que eu comprei um cartão pra ligar de um orelão pra Dorinha, (la
não pega sinal de celular), mais a ligação não quis ser completada.
E pra piorar eu tive que voltar pra Vitória passando mal, devido a
algumas coisas que comi, e os mosquitos acabaram comigo, e eu fiquei
toda vermelha, com manchas pelo corpo.
Fora que eu também tive intensas crises de choro, e a psicóloga que foi
conversar comigo diagnosticou um início de depressão, que pode piorar
caso eu não consiga me erguer.
Só que eu não sei como me erguer.
Que Deus me ajude sabe gente, tô precisando.
E o que me deixa um milhão de vezes pior é não falar com a Dorinha.
Isso ta acabando comigo, de uma forma que nem da pra explicar.
Ela está super brava comigo, e eu nem posso tirar a razão dela, ja que a
culpada de tudo isso sou eu, eu, eu e eu!!!
Ela vai me falar um monte, e eu nem tenho o direito de chiar, ja que
quem deixou ela sozinha fui eu e eu!!!
Mais meu Deus, eu não quero perder a minha irmã não!
Mais será que ela vai querer continuar sendo minha irmã?
Não faço a mínima ideia, mais torço para que continue, pois sem ela eu
não vou conseguir sobreviver não!
Ô maninha, não me abandona não!
Mesmo você estando brava comigo, eu não deixei de te amar não, ta?
Tive auta do hospital na sexta e desde então estou sem net em casa,
devido a problemas na rede da Gvt do meu bairro.
Eu disse aqui em um de meus posts que ia tentar acreditar que as coisas
esse ano iam melhorar, mais confesso que está muito difícil crer nisso.
Ja vou indo gente.
Ja escrevi demais, e nem sei se esse post será proveitoso pra alguém.
Logo mais eu volto

Um comentário:

dorinnha radashy disse...

oi..... bom, eu estou brava. mais 1º, que bom que vc está melhor. 2º, entrevista de emprego é assim, infelizmente. ja passei por isso até conseguir a minha vaga. 3º, eu não vou te falar um monte. eu não vou falar mais nada.