quarta-feira, 8 de maio de 2013

*Meu mês de Abril, o Caps, a esquisofrenia, a bipolaridade, a depressão da Alice, as pazes, o parque, o note que não veio, a omissão de vozes, a solidariedade, eu na cozinha.*

Ooooies gente! Maio ja se iniciou, e ja era hora de dar as caras aqui.
Depois que eu postei aqui, a Zineth, apareceu na Bb, e me deu uma barra
de Talento.
Hum, uma delícia!
Eu a agradeci muito por isso, e batemos aquele super papo básico.
Depois eu voltei pra casa, onde não fiz nada de interessante.
Não fui ao segundo dia da Cruzada Evangelística, pois eu estava muito
cansada, e com dor nas pernas.
Mas na terça eu fui.
Quem pregou foi o Ezequiel, e a pregação dele, me fez pensar e refletir
sobre várias coisas.
A pregação dele foi sobre o perdão.
Foi uma palavra que mecheu muito comigo, de uma forma inacreditável.
Pensei muito em mim e na minha vida.
Mais não vou contar isso aqui, pois senão essa postagem vira um livro.
Outro dia eu conto sobre isso aqui gente.
Depois que o culto terminou nós ficamos conversando na porta da igreja,
e zoamos bastante, e rimos mais ainda!
Na quinta eu fui junto com a Michelle até a casa do pastor, onde
conversamos muito sobre algumas coisas que andam acontecendo na igreja.
A noite não pude ir ao culto, devido a um problema que tive de última
hora.
No sábado dia 06 eu vim pra casa da Alice, pois na segunda dia 08 foi
feriado aqui em Vitória.
Depois de arrumar minhas coisas lá, nós fomos até a casa do Reinaldo,
visitar a enteada dele, que tinha quebrado a perna.
(Por uma questão de ética, e para não expô-la, não deixarei seu nome
aqui).
Chegando lá, eu me deparei com uma mulher totalmente triste, que
não tem nenhum estímulo, que não tem o apoio e a compreensão de sua
família, que só há joga no chão, que só lhe dirigem palavras ríspidas,
que só a massacram com cada gesto, com cada palavra proferida.
Ela é uma mulher, que mostra a todos que a visitam, a sua tristeza,
através das palavras e de seus gestos, que nos transmitem toda a dor que
percorre teu coração tão triste, tão carente de afeto, tão machucado,
tão dolorido.
Ela apresenta um quadro de esquisofrenia, e bipolaridade, mas apesar de
sofrer todos estes transtornos, ela está sem poder ir ao Caps (Centro de
Atenção Psico Social) por conta de ter quebrado a perna, e de não
possuir, ninguém para acompanhá-la até lá.
Deixarei aqui, algumas informações sobre os Caps.

Diferentimente dos manicômios, os caps não  mantém seus pacientes em  regime fechado, muito pelo contrário.
Os caps, apresentam um  tratamento aberto, onde o paciente vai até a  instituição, para receber os cuidados  nescessários relacionados ao seu problema, seja uma
neurose, psicose, depreção e etc,  e logo após o atendimento diário ou semanal, o mesmo pode retornar a sua casa, não perdendo assim, a oportunidade de participar
da sociedade onde está inserido, ou seja, exerce seus direitos  e deveres como cidadão.

Ela nos disse que escreve muito, e que se sente muito sozinha, pois
apesar de estar cercada por inúmeras pessoas, as mesmas não possuem
nenhum vínculo afetivo com ela, pois a tratam como se fosse qualquer
coisa, menos um ser humano.
Pra eles ela é apenas um ser insignificante, que só dá trabalho, que só
tráz problemas, que não tem nenhuma utilidade ali dentro.
Mais nós conversamos muito com ela, e até fizemos uma oração lá.
Ela precisava disso, e eu senti no meu coração de fazer isso, então eu
fiz.
Era o mínimo que eu podia fazer, e ela precisava muito daquilo, deu pra
ver.
Depois nós deixamos o quarto, pois ela alegou estar com dor de cabeça.
Ainda permanecemos mais um tempo ali, e depois fomos conversar na parte
externa do condomíneo.
Nos divertimos demais, e zoamos mais ainda.
Depois nós 3 voltamos pro apartamento, e era hora de fazer o jantar.
Eu queria aprender a cozinhar, e o Carlos resolveu me ensinar.
Ele me ensinou a fazer macarrão.
Até que ficou bom, pelo menos todo mundo comeu.
No domingo nós acordamos mais do que tarde, e nem fomos a igreja de
manhã.
A tarde a Alice fez um musse de chocolate, mas nesse dia nós nem o
degustamos.
A noite ós fomos a igreja, e eu adorei!
Deu até pra rever a Cátia, e na hora de ir embora conseguimos uma
carona.
Ainda bem, porquê o ponto onde pegaríamos o ônibus é um pouco longe da
igreja.
Na segunda dia 08 a Hérica apareceu lá, e nós conversamos bastante.
E aproveitamos para degustarmos o musse que a Alice tinha feito no dia
anterior.
Ele estava maravilhoso, adorei!!!
A noite nós fomos visitar a Dayane  no hospital.
(Ela era esposa de um colega nosso).
Estava precisando de sangue, pois havia tido uma hemorragia, que graças
a Deus foi controlada.
Ela até que estava bem alegrinha quando chegamos lá, e sorria muito
também.
Depois de sairmos do hospital nós demos uma passadinha no shopping, pois
o Carlos tinha que tirar um dinheiro para pagar o taxista, que foi super
legal conosco, e batemos um papo legal.
Voltei pra casa na terça dia 09.
Depois que eu passei aqui na bb, (porquê a minha irmã estaria me
esperando) nós fomos ao shopping e pesquisamos emvárias lojas preços de
notebooks, pois a Alice precisava de um, e eu também.
Ela acabou comprando um na Digital Tiger, e eu fiquei feliz por ela né.
Ele tem o Windows 8, bem moderninho.
Quando saímos do shopping estava caindo uma chuva moderada, mais que foi
engrossando ao longo dos minutos, e nos molhamos bastante.
Nosso buzão chegou antes do deles, por isso pedimos a uma moça, para que
informasse o ônibus deles.
Depois de alguns minutos chegamos em casa, completamente ensopadas, você
nem faz ideia.
Na quinta quando eu fui ao culto, a Lígia me diz que na reunião que teve
no domingo, em que eu estava fora, ficou decidido que os jovens estariam
em disciplina por 2 meses.
Fiquei surpresa por conta disso, mas entendi os motivos que levaram o
pastor a tomar tal decisão.
Estavam havendo coisas que precisavam serem revistas, muita fofoca e
outras coisas, que nem valem apena serem citadas.
E se este afastamento for para o bem do conjunto, se for para melhorar a
obra de Deus, que seja feito isso.
O culto terminou bem tarde, quase 22:00, e eu ainda fiquei na igreja,
pois precisava conversar com o pastor, a respeito de algumas coisas.
Cheguei em casa, quase 23:00 da noite, com muito sono e muita fome, pelo
amor de Deus.
No sábado dia 13, eu fui em um churrasco, na casa da Lia, (amiga da
minha mãe), e foi bem legal lá.
Revi várias pessoas que ja não via há um super tempo.
Ri demais, e comi bastante.
Ô, desse jeito não há dieta que aguente!
Mas nem fiquei lá por muito tempo, pois eu estava com dor de dente.
Fui lá mesmo pra marcar presença, e porquê ela tinha insistido muito
para que eu comparecesse, daí pra não fazer feio eu fui.
Depois eu tinha outro aniversário pra ir.
Era do Daniel, mais eu não fui, pois como já disse, estava com dor de
dente.
Fui pra casa e fiquei lá sem fazer nada de interessante.
Na semana seguinte, eu vim na Biblioteca duas vezes, e peguei alguns
livros bem interessantes.
Mais esse assunto, é tema de outro post.
No fim de semana tivemos visitas em casa, e eu adorei ver todo mundo que
esteve por ali.
No domingo eu fui em mais um churrasco.
Dessa vez da minha tia.
Gente, assim não dá, não vou conseguir fazer dieta nunca!
Que isso.
Mais valeu muito apena vai, isso eu tenho que confessar!
Também nem fiquei muito nesta festa, pois eu estava meio que pensativa,
sei lá, queria um pouco de silêncio, e um tempo pra pensar.
Mais apesar de não ter ficado durante a festa inteira, consegui
aproveitar muito da mesma, e me diverti mais ainda.
Na segunda eu vim de novo na Bb, e até falei com a Dorinha, e eu amei
né, foi muito bom.
Também falei com a Carol, e até que falamos bastante.
Na quarta eu vim aqui de novo, e encontrei o Thiago, e o Iago, (dois
colegas meus) e conversamos muito.
Eu até os ajudei a chegar até uma lanchonete que fica aqui em frente.
E enquanto eles comiam.
(Eles me ofereceram, mais eu não quis).
Nós conversávamos sobre vários e vários assuntos, foi bem interessante
nosso papo.
O Thiago trabalha com algo relacionado ao esporte.
Ele até me sugeriu que eu fizesse aulas de judô, mais eu infelizmente
não vou poder participar, pois o local de provas é no centro de Vitóriam
próximo a Rodoviária, que é mega perigoso, principalmente a noite.
E nunca que a minha mãe ia me deixar fazer isso né.
Já até desisti.
Eu também nem tenho coragem de ir não, me dá medo.
Quando eles se foram, fui pegar meus e-mails, e ler mais um pouco, (amo
isso).
Depois eu fui pra casa, onde li mais um livro marcante.
Na quinta não fiz nada, e a noite liguei pra Alice, pois tinha que
combinar minha ida pra casa dela.
Fui pra lá na sexta, e eu gostei muito disso.
Lá foi muito bom, e eu usei o note novo dela, e até que gostei do w8.
Só é meio confuso as vezes.
Nossa, lá eu comi demais, engordei uns 2 quilos, pelo amor de Deus.
Fora um lanche lá que o Carlos comprou, ainda comi pizza, lasanha no
sábado e no domingo, enfim, comi muito!
Mais tudo estava perfeito!
O Carlos cozinha super bem.
E pela primeira vez eu fiz café.
Mais você acha que foi na cafeteira?
Que nada, foi do modo tradicional mesmo.
Fiquei super feliz em fazer isso!
E foram o Carlos e a Alice que me ensinaram.
Pois se dependesse do povo lá de casa, nossa, não saberia fazer nada!
Meu café até que ficou bom.
Pelo menos todo mundo bebeu né.
Agora eu ja sei fazer duas coisas.
Esse café, e o macarrão, que eu já falei aqui.
Eh! estou evoluindo!
Adoro isso!
Não curto ficar parada não.
E lá eu fiz muita coisa, lavei louça, enfim!
Tinha que ajudar eles, e eu jamais me negaria a fazer isso.
E acabava sendo tudo bem divertido, (fora do comum).
No domingo nós saímos.
Fomos a casa de Hérica e Celésio almoçar com eles.
Acabamos encontrando o Maycom, (colega nosso) e conversamos a tarde
inteira.
A noite não fomos a igreja, por causa do horário em que chegamos em
casa.
Não dava tempo.
Só que apesar de ter seu lado bom, também teve seu lado ruim.
A Alice chorou, ficou triste, deprimida, quis fazer coisas que ela não
podia, ficou eufórica, enfim........
Eu me senti totalmente impotente, sem saber o que fazer para ajudá-la,
sem saber como ajudá-la.
Tentei ajudá-la com o máximo que eu podia, sei lá se deu algum
resultado, mais pelo menos eu tentei.
Eu tinha que ajudar ela.
Ela é minha amiga, e o que eu puder fazer por ela eu farei.
Só que eu confesso aqui que é bem complicado lidar com isso tudo, a
gente fica meio que sem saber o que fazer, sem saber como fazer, sem
saber se deve mesmo fazer.
Eu podia ouvir ela, então eu ouvi. Eu podia abraçar ela, então eu fiz
isso. Eu podia secar as lágrimas dela, então eu as sequei.
Era isso que eu podia fazer, era isso o que ela precisava que eu
fizesse.
E também eu a compreendi, jamais a julguei por conta disso, pois eu sei
que ela está tentando lutar contra isso, mas tudo está sendo mais forte
que ela.
Eu sei que um dia ela vai vencer tudo isso!
Na quarta nós fomos até o Parque Botânico da Vale, junto com o José Carlos,
e eu adorei ir lá.
Fomos em um jardim sensorial que existe lá, e só não fomos na trilha
sensorial, pois não estávamos de tênes.
Mais mesmo sem irmos a trilha, nosso passeio valeu a pena.
Quando estávamos no mini jardim, (que possui algumas plantas e poucas
flores), e uma mini cascata, muitos nos olhavam lermos em braille, e
ficavam admirados com aquilo.
Deu para conhecermos várias pessoas diferentes, inclusive uma professora
de educação especial, que também sabe ler em Braille.
Mas também tinham aqueles, que achavam um máximo nós lermos em Braille.
Disseram até que nós éramos profissionais, como se o braille fosse coisa
de outro mundo, fala sério.
Depois de tudo isso, nós fomos nos sentar em um gramado que tem ali,
(próprio para pique niques), e enquanto o Carlos e o José Carlos
conversavam, eu e a Alice fomos andar por ali.
Demos uma super caminhada, e não batemos em nada!
Em um certo ponto, chegamos até um local, onde estavam um homem e um
menino de mais ou menos 3 anos.
Este homem nos parou, e nos perguntou a respeito da nossa deficiência.
Nós respondemos tudo o que foi perguntado, e ainda conversamos por uns
10 minutos, e foi muito bom.
Ele até falou que sua irmã era professora especial em Mg.
Depois de conversarmos mais um pouco, voltamos ao nosso local de origem,
e tiramos algumas fotos, que ficaram bem legais.
Depois nós fizemos mais algumas coisas, e dentro de 40 minutos nós
voltamos pra casa, quando já eram 17:00, pois o parque já fecharia.
Chegando lá, eu tomei um banho, pois estava calor, e eu precisava
daquilo.
Depois eu fui pro pc da Alice, enquanto ela ficava com o Carlos.
Lá eu tive uma surpresa mais do que maravilhosa.
Quando eu entro no msn, vejo a Dorinha lá.
Daí nós conversamos e surpresa, nós fizemos as pazes, voltamos as boas.
Eh!!!
Eh!!!
O que eu mais queria aconteceu, eh!!!!
Tenho a minha maninha de volta, só pra mim!!!
Isso que é presente.
Depois ela ainda me contou várias coisas, que eu prefiro não divulgar
aqui, mais que me deixaram muito feliz.
Só que nem matamos a saudade, pois eu tive que sair do pc, e fui ajudar
o Carlos na cozinha e etc.
Na quinta eu vim pra casa, mais antes de manhã nós tínhamos que ir na
Ufes, matricular a Alice.
Mas antes, fomos até a casa do Cidadão, onde ficamos quase uns 10
minutos esperando um olho pra nos ajudar a atravessar.
E quem disse que o povo nos ajudou?
Que nada, eles nos ouviam pedindo ajuda e ficavam em silêncio,
disfarçando a sua presença.
Eles nos viam esperando próximos a faixa de pedrestes, e nem se
prontificavam em nos estender a mão, ou nos oferecer ajuda.
Para eles nós éramos como aberrações, que não mereciam ajuda, que não
mereciam sequer uma manifestação deles.
Aquilo doeu um pouco, e eu me senti mal, em ver que os seres humanos não
tem um pingo sequer de solidariedade dentro de si.
É fácil você não oferecer ajuda, mais você tem que pensar que hoje você
não precisa daquilo, mais o amanhã ninguém sabe.
Não tô jogando praga nem nada gente, mais só tô falando a verdade.
Pois hoje, eu preciso, mais amanhã eu posso ser a que irá ajudar alguém.
Depois de esperarmos muito, finalmente aparece um moço lá, que nos ajuda
a atravessar.
Não só fez isso, mas também foi comosco até lá dentro, e ficou nos
aguardando até que concluíssemos o que iríamos fazer ali.
Deu pra ver que ele fez isso de coração sabe.
No meio do trajeto ele nos contou que sua irmã também é dv, daí eu
entendi o porquê de sua ajuda.
Depois nós fomos até a Ufes, onde a Alice fez sua matrícula, e agora é
oficial, ela começa suas aulas no dia 16/05, e eu fiquei radiante com
isso lógico!!!
Saindo de lá, nós fomos até o Braille matar tempo, até a hora do almoço.
Lá conversamos com a Beth, e na hora do almoço eu e o Carlos comemos até
que bastante.
(A Alice não quis).
Depois eu vim pra Bb, onde passei a tarde.
Quando eu cheguei em casa eu estava mega ansiosa.
É que a minha mãe comprou um note pra mim pela net.
E estava previsto de ele chegar na quinta, mais que decepção, ele não
chegou.
Fiquei absurdamente brava por causa disso tudo, e deu vontade de quebrar
um monte de coisas, mais acabou que eu não fiz isso.
Só chorei bastante, mais isso não resolvia meu problema, certo?
Depois de chorar eu sequei meu rosto, e fiz uma cara de normalidade, pra
ninguém notar nada.
No domingo eu fui em um aniversário, e comi bastante.
Também me diverti mais ainda, sem comentários, a festa foi muito boa!!!
Ai gente, deixa eu contar antes que eu me esqueça.
Na quinta eu me inscrevi pra prestar vestibular pra faculdade Univix.
Daí na segunda eu fui lá, pois eu tinha que fazer um requerimento para
ter prova especial.
Daí eu fui lá, e fiz um requerimento para estar fazendo a prova com
ledor.
Apesar de não curtir muito prova assim, vou ter que aprender, pois ficar
só dependendo do Braille não dá não.
A prova será no sábado, dia 11, e eu estou mais do que ansiosa.
Se Deus quiser eu vou passar, e prestar o curso de psico que eu tanto
quero!
Torçam por mim gente, tô precisando!
Ontem a minha mãe me disse que meu note chega ainda nessa semana.
Diz ela que a entrega atrasou por conta do feriado de semana passada.
Fiquei brava, mais fazer o quê né?
E hoje eu vim pra Bb, onde vi meus e-mails, que são muitos, mais só
respondi e li os importantes.
Li cap 6 do livresco, e eu chorei durante toda a extensão do mesmo.
Não posso contar aqui sobre o conteúdo existente, mais eu chorei e
chorei.
Vou ficando por aqui gente!
Logo mais eu volto, e espero postar agora do meu próprio note.
Um beijão a todos e fiquem com Deus.

2 comentários:

dorinnha radashy disse...

oooi fer. nossa que postagen cumprida peloamor de deus. será que eu vou lembrar de tudo? bom, que vc tinha ido pra casa do carlos e da alice eu sabia, e eu também espero que ela vensa essas crises sabe, não é nada fácil pra ela tudo isso. ja conversamos sobre. e esse negócio de ficar esperando e ninguém aparecer é clássico. ja aconteceu comigo e eu também sofria muito quando me lembrava sabe. realmente eu fiquei te esperando na 5ª passada e nada, mais eu ja entendi e nem fiquei brava. e hj foi seu vest, e eu tenho certeza de que vc passou! e vc tava falando da menina que quebrou a perna, e eu fiquei morrendo de pena dela. como as pessoas da nossa própria família são incencíveis. e a gente acha que isso só acontece na rua. a ta..... quem dera........ e aprender a cozinhar é mesmo bom. e quando vc vier aqui, faça macarronada pra mim pq vc sabe que eu adoro! bjs!

Fernanda!!!! disse...

Ooooie maninha!!!!! Minha seguidora mais fiel, ta sempre aqui comentando e eu amo isso!!!!
AAh, a postagem ia ser maior, só que eu tirei umas coisas, senão ia virar um livro.
É, essas crises da Alice são mesmo difíceis, mais a gente tem que acreditar que ela vai melhorar né.
Ficar dependendo dos outros é muito chato, e isso as vezes me irrita. Mais ainda bem que ainda existem os anjos que nos ajudam.
Também morri de dó da menina que quebrou a perna, foi muito triste ver ela lá deitada.
E obrigada pela força em maninha. Vc sempre me ajuda, e se eu passei no veste, devo isso também a vc, que sempre me apoiou, sempre esteve comigo, sempre me ajudou, sempre me deu forças.
Muito obrigada por tudo.
Um beijão.
Te amo.
Fer.