domingo, 5 de outubro de 2014

Braille Digital - Opinem.

Oi gente! Hoje vim aqui tratar de um assunto polêmico. Como muitos de vocês sabem, sou cega desde criança, e por tanto, aprendi o Sistema Braille. Abaixo, vou postar um artigo que fala sobre os livros em Braille, e sobre a digitalização dos mesmos. Ao fim do artigo, deixarei minha opinião: Braille digital Embora o mercado do livro impresso ainda pareça ter uma longa existência pela frente (previsão, aliás, de empresários do próprio setor), e a informática disponibilize hoje vários programas para conversão, gravação e digitalização de textos sob diversos formatos, estamos convencidos de que o Sistema Braille não pode sucumbir à vista de tanto progresso tecnológico, cabendo-nos, pois, a tarefa de levar os futuros governantes a se compromissarem com políticas econômico-financeiras capazes de assegurar contínua sustentabilidade a projetos para transcrição de obras em relevo. Trata-se de providências necessárias e inadiáveis, visando reduzir o já enorme prejuízo intelectual de nossas crianças, nossos jovens e de nós próprios, pela falta de contato com a palavra escrita, cuja forma, uma vez percebida pelo córtex cerebral, é aí decodificada como o conceito a ela correspondente. Assim, a leitura tátil regular acabará por fixar no indivíduo a grafia de cada vocábulo já lido e, tornada esta um hábito, estará ele de posse da ortografia (escrita correta) das palavras. A utilidade de tal conhecimento se revelará quando o indivíduo ouvir ou imaginar qualquer coisa, pois tais idéias trarão consigo, naturalmente, a representação mental das letras que compõem suas grafias. Será ainda mais útil quando um profissional cego, qualquer que seja sua área de atuação, se vir ante a necessidade de redigir um texto pequeno e relativamente simples, mas que possa valer-lhe a admissão ou permanência num emprego. Nada temos contra as produções em áudio e até as utilizadas, por serem inquestionáveis a vantagem do pouco espaço ocupado por elas e a comodidade de poder ouvi-las praticamente em todos os lugares. Forçoso, porém, reconhecermos que ouvir não é igual a ler; afinal, não nos devemos esquecer de que as pessoas sem deficiência visual já abrem o computador lendo e o farão enquanto estiverem diante dele, mesmo quando queiram executar aplicativos de áudio. Outrossim torna-se urgente pensarmos no desenvolvimento de um display Braille ou até mesmo em um aparelho mais avançado, com teclado de datilografia Braille, tela tátil e memória, que seja portátil e leve. A aquisição de tais dispositivos nacionais seria financiada pela União e mantida como projeto permanente, com a participação efetiva da comunidade braillista, para que se alcance um preço acessível aos brasileiros com deficiência visual. *Bom gente, eu sou uma usuária assídua da tecnologia, até porquê, é quase que impossível no mundo de hoje, ficar somente com o Braille. Mais apesar de usar o computador para grande maioria das coisas que faço, não deixo de usar este sistema, pois eu acho que ele é a alfabetização que toda a criança cega tem que ter. Hoje em dia, muitos cegos que perdem a visão depois de já terem enxergado não querem aprender o Braille, ou muitos só sabem escrever, e não praticam a leitura. É algo que é mais comum do que muitos imaginam. E eu acho assim. Se o pc der algum problema, tá aí o Braille, que pode nos ajudar muito. Não tem como por exemplo, fazer um curso universitário somente usando o Braille como único material didático, mas eu digo que você pode utilizá-lo para anotar algumas coisas de extrema importância, para fazer alguns apontamentos, enfim. O método Braille não deve ser de forma alguma desperdiçado, pois ele é o sistema pelo qual nós, deficientes visuais temos a chance de se expressarem, de se comunicarem, enfim. Eu particularmente não gosto dos livros em áudio, eles me dão sono, e prefiro muito mais ler do que ouvir uma obra literária, mas eu vou precisar me acostumar com este gênero de livros, pois na faculdade por exemplo, não é sempre que vou encontrar livros digitalizados, e muito menos em Braille, sendo os audiolivros mais fáceis para se encontrar. Bom galerinha, vou ficando por aqui! Sintam-se a vontade para deixar suas opiniões nos comentários.

2 comentários:

dorinnha radashy disse...

oi. eu sou super a favor de que o braille continue imperando, pois veremos num futuro não muito distante, cegos totalmente familiarisados com a tecnologia, mas analfabetos quanto a nossa escrita, que já nos ajudou muito. eu usei o braile nos meus anos de facul e não me arrependo. ele nos ajuda muito. todos deveriam valorisá-lo. pois sem ele, nunca teríamos acesso a livros. mesmo que o pc surgice 1º juntamente com nossos leitores de tela. salve salve o braille.

Fernanda!!!! disse...

Verdade menina. Hoje , o que mais se vô cegos não-alfabetizados em relação ao Braille. E estes sfre muito, rincipalmente no Enem, quando passam pelo desconforto que é ter que ditar a redação pro seu ledor. Isso por si só já é horrível. Eu também uso o Braille no curso, e não me arrependo. Ele me ajuda muito, e para mim, jamais deve ser descartado! Salve salve Braille!