segunda-feira, 28 de julho de 2014

Voltando ao blog. Minhas novidades!

Ois gente! Andei bem sumida daqui né, mais é que tive alguns problemas, e depois foi a correria. Antes de mais nada, gostaria de dar as boas-vindas aos meus mais novos seguidores, e aos mais novos visitantes. Que vocês gostem dos conteúdos aqui postados, e que se sintam a vontade para divulgá-los e comentá-los! Este post será enorme, visto que tenho muito o que contar. No dia 22/04, retornei ao curso, e durante a aula, a Mirian pediu para que nos dividíssemos em grupos, para realizarmos uma atividade sobre os conteúdos de ética, moral e cidadania. Confesso que esta atividade me deixou um tanto nervosa, pois conviver com as diferenças não é fácil, ainda mais em uma turma como a nossa, onde a diversidade de pessoas é muito grande. Mas também, isto não deixa de ser maravilhoso, pois assim nós podemos aprendermos que não existem somente as nossas opiniões, que os outros também tem o direito de se expressarem como devem, que em uma empresa estaremos convivendo com n tipos de pessoas, com opiniões diferentes das nossas. Eu particularmente gosto deste tipo de coisa, e depois que o nervosismo passou, pude estar desenvolvendo minha atividade de uma forma produtiva. A tarde, eu acabei indo pro Braille, e junto com a Alice demos um jeito na biblioteca de lá, que estava horrível, mas agora, ela está melhor. Ainda não é possível receber nenhum usuário, mais este dia se aproxima. Na quarta, dia 23, eu acordei nervosa. Eu tinha que dar uma palestra em uma das turmas do Senai, e aquilo me deixou uma pilha! Quem me conhece sabe que eu sou assim mesmo! Se bem que de uns tempos pra cá, esta questão não tem mais me deixado tão atormentada como antes. Agora eu consigo lidar melhor com isto, e uso esta espectativa, como algo que possa vir a ser produtivo pra mim. Antes que vocês fiquem confusos (as), vou explicar como tudo aconteceu. Na semana anterior, no dia 16, teve a eleição no Braille e etc, daí como eu já falei aqui, mais da metade da turma faltou e tals. Eu era a única dv total que estava lá. Depois do intervalo, 4 moças bateram na porta da sala, para conversar com a Mirian. Elas queriam que algum deficiente visual da turma fosse em sua sala, para lhes dar uma palestra. E como só eu de dv total que estava lá, elas pediram para conversarem comigo. E é claro, foram atendidas, pois eu não me nego a ajudar ninguém, seja com algo simples, ou com algo complicado. Daí nós nos sentamos em um banco que fica em frente a minha sala, e fomos conversar. Elas estudam no curso Técnico em Segurança do Trabalho, e queriam que eu fosse em sua turma, pois elas estavam fazendo um trabalho sobre os EPIS, (Equipamento de Proteção Individual), que no caso são os óculos de proteção. Daí é claro, aceitei o desafio! Seus nomes são: Karol, Larissa, Leylane e Natália. Elas são super legais, e me deixaram ver seus cabelos e rostos. Todas tem bochecha, bom de se apertar! Depois de acertarmos mais alguns detalhes, nos despedimos, e eu voltei para minha sala. Voltando ao dia da palestra. Eu fiquei com medo também de não chegar na hora, pois o ônibus demorou muito a passar, e aquilo ainda me deixou mais nervosa do que nunca. Mas deu tudo certo, e eu consegui chegar na hora! Eheheheh! Ainda fiquei por alguns minutos na minha sala, e por volta de 7:50, a Leylane e a Natália foram lá para me buscar. Assim que chegamos em sua sala, eu já ouvia várias vozes que conversavam em seu interior, e aquilo foi me deixando ainda mais nervosa. Depois eu acabei encontrando as outras integrantes do grupo, e conheci uma menina que também fazia parte do mesmo. Seu nome é Jaqueline, e ela me pareceu ser do bem. Depois de aguardar por alguns minutos, finalmente eu entro na sala, e a Carol me conduz até uma cadeira. Assim que eu me sentei, pude observar a turma com mais calma. Dentro daquela sala, haviam mais de 30 alunos, com idades variadas. Aí que eu fiquei nervosa mesmo. Será que daria conta do recado? Esta foi a pergunta que eu me fiz naquela hora. Mas nem adiantava ficar tentando maquinar respostas, precisava aguardar até que a hora de me apresentar chegasse. As meninas logo começaram sua apresentação. Ela foi super esclarecedora, e elas explicaram sobre o uso dos óculos de proteção para aquelas pessoas que trabalham com solda, maçarico, dentre outros elementos que podem prejudicar os olhos. Elas explicaram super bem, e sua apresentação ficou mais do que completa! Eu adorei! Sobretudo por estar aprendendo coisas que eu nem fazia ideia. Isso sim é demais! Eu só fui falar quando já eram mais ou menos 8:50, e antes de ir pra frente, eu respirei fundo, tomei uma dose de coragem e fui. Não poderia dar bandeira justo naquela hora. Eu falei muito. Sobre mim, sobre a minha educação, sobre a minha escola, sobre a minha deficiência, e é claro, sobre os preconceitos vividos. Impossível fugir deste tema. Falei muito, e ao fim de tudo, eu demonstrei a eles como é a escrita em Braille, (pois eu havia levado minha reglete, a pedido da Leylane). Depois eu os expliquei como é a forma correta de se conduzir um dv, pois muita gente não sabe! Depois eu deixei um espaço para que eles fizessem suas perguntas, e putz, eles perguntaram muitas coisas! Quase fiquei tonta para responder tudo, mas isto é bom, sinal de que aquilo lhes gerava dúvidas. E uma coisa eu notei: Eles estavam sim dispostos a ajudarem, só não sabiam como. E é isto o que ocorre geralmente com as pessoas. Elas não oferecem ajuda, não por preconceito, mas sim, por não saberem qual é a forma correta para isso. Deu pra esclarecer tudo, e isso foi perfeito! No fim de tudo, todos me aplaudiram muito. Eu fiquei super feliz! Não só pelas palmas em si, mas sim, por ter conseguido colocar um pouco de consciência na galera, e por ter lhes ensinado algo que é totalmente novo e diferente para eles. Isso sim foi o mais legal de tudo! Os aplausos são super bem-vindos e apreciados sim, mas o fato de ver e sentir que o que eu fiz, ajudou alguém, vale muito mais do que as palmas que me dão. Eheheheheheheheheheheheheheheheheh!!!! Missão cumprida!!!!! Depois o Ronaldo, professor delas, me agradeceu pela visita, e eu voltei pra minha sala. Depois do intervalo, eu fiquei sabendo que este grupo, estavam fazendo um trabalho externo, fora da sala de aula. Eles estavam vendados, e algumas pessoas estavam lhes servindo como guias. Achei super legal isso. Queria ter visto, mais não deu! Sinal de que o que eu os havia ensinado, tinha realmente ficado gravado dentro deles! Depois a minha rotina seguiu sua normalidade, e no fim de Abril, eu fiz um trabalho sobre Empreendedorismo que ficou enorme! Deu 39 páginas! Muita coisa, né? Eu sou assim mesmo. No dia 03/05, eu, Ronaldo, Maciléia, Sâmela e Stéfhan fomos para a casa do Carlos e da Alice, para um fim de semana dos amigos. Foi super legal lá! Resolvemos tirar o fim de semana para zoarmos e nos divertirmos. Foi massa, comemos e bebemos muito. Eu ri muito, quase passei mal de tanto que ri. Ficamos rindo, comendo, bebendo e falando a noite e madrugada inteiras. Eu acordei as 9:00 da manhã de sábado, e só dormi as 17:00 do domingo. Que loucura né, mais nunca tinha feito isso, nunca tinha ficado tão agitada. Tudo culpa do monte de energético que eu tomei pra ficar acordada. Na madrugada, nós fizemos várias brincadeiras, dentre elas a Verdade ou Desafio. Nessa brincadeira, rolou muita pergunta cabeluda, que eu nem posso falar aqui. Só o Ronaldo pediu Desafio, e foi justamente pra mim. Eu nem sabia o que propor, eu estava confusa. Ele acabou dizendo que eu não ia falar pra ele fazer nada, daí eu disse que ele deveria tomar Coca-Cola com catchup picante. Depois que eu propus isso, fiquei morrendo de medo de dar um piripaque nele. Não deu nada, só que eu que fiquei me sentindo mal depois. Mais foi tudo de boa, e ele levou na esportiva. Durante a manhã de domingo, nós assistimos há vários vídeos, e deu pra rir muito com tudo aquilo. Depois o Ronaldo e o Carlos foram os cozinheiros da galera, e uma coisa eu falo. Aquele macarrão do Ronaldo ficou pra lá de bom! O cara cozinha bem mesmo! Depois ainda comemos brigadeiro, e ficamos cantando até umas 16:30, quando todos começaram a se arrumarem para deixar a casa da Alice, exceto eu que ficaria por lá mesmo! Só dormi quando eram 17 horas, e acordei quando eram 6:00, porquê eu tinha que ir pro curso né gente, não dava pra faltar. Quando eu estava no ponto de ônibus, notei que havia esquecido meu celular lá. Daí tive que ir lá pegar. Sorte que o ponto é na calçada do prédio dela. Deu pra pegar rápidinho, e eu consegui chegar cedo no curso. Lá, a Leylane me ajudou a chegar até no meu bloco, e deu para conversarmos um pouquinho. No dia 11/05, eu passei o dia na casa dos meus avós, por causa do dia das Mães e tals, e voltei pra casa mais gordingha! Comi uma lasanha maravilhosa! A noite, eu comecei a namorar, como eu já disse no meu último post. Isso realmente marcou meu mês de Maio. Não somente isto né, mais este namoro foi sim uma das coisas que deixou o mês das noivas, sendo o meu mês, nosso mês! E neste mesmo dia, já combinamos um encontro para o dia 18/05. Durante esta semana, nós conversamos muito, sobre vários assuntos. Eu também me cansei até. Na quinta, dia 15, eu faltei ao curso, pois eu precisei resolver algumas coisas com a Beth de manhã. Daí eu tive que faltar aula. Não gostei nada nada disso, mas infelizmente era necessário. Só que acabamos saindo do Braille quando já eram quase 12:00, e aquilo me deixou um pouco brava. Dava pra eu ter ido na aula. A tarde, eu tinha que ficar em um estande de uma feira literária que teve aqui, só que eu acabei me atrasando, e nem deu pra ficar lá. Também não gostei de ter faltado a este compromisso, mais enfim. Não havia nada a fazer. Eu cheguei em casa pra lá de cansada. Tinha andado muito, e me estressado muito também! Na sexta, eu acabei indo ficar lá na Feira, e a Sarah, a Tainá, e a Alice também ficaram lá. Na verdade, quem ia ficar lá eram somente eu e a Sarah, mais as demais quiseram ficar também. Minha tarde ali foi super proveitosa. Conheci várias pessoas diferentes, que me abordaram no Estande dedicado aos deficientes visuais, e me fizeram inúmeras perguntas sobre o Sistema Braille, e é claro, eu fiz uma demonstração de como o mesmo funciona, tanto na máquina Perkins, como na reglete. Ali também havia um notebook, onde estava funcionando o Sistema Dosvox, e o NVDA. Assim, as pessoas puderam ver como que funcionam os leitores de telas para nós, dvs. Foi super legal isso sabe, pois eu conheci novas pessoas, e até algumas crianças também passaram por ali. Eu procurei responder tudo o que me foi perguntado, e foi legal, parece que eles gostaram do que lhes foi ensinado. Depois deu até pra ir em um estande, que tinha várias coisas rústicas, super legal. Não deu para ver nenhum outro, pois eu estava trabalhando, e não podia ficar parando, né? Só que curiosidade eu tinha, e de sobra. Esta feira, era sobre literatura capixaba, só que em Braille, é difícil achar livros com autores daqui, o que é uma pena, pois eu gostaria de conhecer mais da literatura de meu Estado. Ali existiam pouquíssemos livros capixabas em braille, tinham mais audiolivros, mais eu particularmente não gosto de livros assim. Eles me dão sono. Depois de ficar em pé por mais de 5:00, eu cheguei em casa morta de cansaço. Não suportava o peso das minhas próprias pernas. No sábado, dia 18, eu acordei antes das 8:00 da manhã. Cheguei no Braille mega cedo, pois teria uma oficina de Decopage em caixas de MDF. Este trabalho artesanal pode ser feito usando-se guardanapos decorados próprios para este fim, ou pedrarias também. A decopage também pode ser feita em tecidos, potes, enfim, tudo aquilo que tiver utilidade. Esta oficina foi dada pela Mirian, que se propôs, a nos oferecer esta aula, totalmente gratuita. Ela acabou se atrasando um pouco por conta do trânsito, e assim as alunas foram chegando. Desta oficina participaram eu, Sâmela, Laura, Solange, Julia e Cátia. Foram poucas pessoas, pois a notícia foi dada meio em cima da hora. Mas mesmo assim, não deixou de ser super proveitosa. Eu particularmente adorei aprender a decorar caixas. Não é tão difícil, e a Mirian é super paciente, e isso já ajuda muito, para que o trabalho se desenvolva de uma forma produtiva e proveitosa. A oficina só teve fim quando eram mais de 12:30, e nós agradecemos a Mirian por tudo. Todas as caixinhas que fizemos ficaram lindas! Durante a manhã, o Stéfhan chegou quando eram mais ou menos 10:00, e nós apenas nos cumprimentamos rapidamente, e só. Não poderíamos conversar muito, pois eu estava em aula. Mais uma coisa eu falo. Quando ele me abraçou, eu não queria mais soltá-lo. Por mim, o tempo poderia parar ali, naquele momento, naquele instante. Foi algo inexplicável. E eu tive sim que deixá-lo ir. Ele aproveitou pra conversar e sair com o Carlos. Naquele dia também estava havendo um multirão de limpeza no Braille, e o pessoal do núcleo acabou indo lá dar aquela mãozinha. Depois que a Mirian se foi, o Stéfhan acabou me entregando um presente. Foi um Florata Rosa, da Boticário! Eu amei! Nunca havia sentido o cheiro antes! Ele é maravilhoso, perfeito, não vivo mais sem ele! E é claro, sempre que eu usá-lo, me lembrarei do meu amor! Depois nós ainda conversamos mais um pouquinho, e fomos almoçar no shopping. Foi maravilhoso, e nós conversamos sobre tudo, sobre todos. Foi a primeira vez que eu saí assim, acompanhada pelo meu namorado. Depois nós voltamos pro Braille, pois eu tinha deixado umas coisas lá, e precisava buscar. Ele acabou indo pra rodoviária por volta de 16:30, e foi horrível me despedir dele. Só que eu não tinha o que fazer. Ele precisava ir. Eu só deixei o Braille por volta de 18:00, e uma galera ficou comigo no ponto, e eu só cheguei em casa quando eram mais de 19:00. ´Apesar de estar morta de cansaço, eu estava feliz! Meu dia foi maravilhoso! Durante as semanas seguintes, continuei realizando a minha rotina como sempre, e no dia 31 eu encontrei meu amor de novo. Nós nos encontramos no shopping, e acabamos procurando alguns modelos de alianças de compromisso para nós, mais nesse dia não era hora de escolher, e sim de sabermos os modelos disponíveis. Depois que almoçamos, ele me encheu de chocolate, e nós voltamos ao Braille, onde a Adriele nos esperava. Nós encontramos com ela, Matheus, Pedro e Henrique, seus filhos. Nós 6, fomos juntos para a casa do Carlos, pois a noite, seria comemoração do aniversário dele, que foi no dia 26. Chegando lá, guardamos algumas coisas, e começamos a conversarmos. Quando eram mais ou menos 18:30, deixamos a casa deles, e fomos com mais uma galera, até um rodíseo, que vende de tudo. Lá foi massa! Comemos muito, e tiramos altas fotos! Adorei! Deixamos o local quando eram mais de 22:00, e fomos todos pra casa do Carlos. Eu e o Stéfhan ainda ficamos um tempão acordados conversando, e depois eu fui para o quarto onde estavam Adriele e os bebês, e ele ficou na sala. No domingo, acordamos cedo, e eu fiquei cuidando dos gêmeos da Adriele. Eles tem 2 anos, e o Matheus tem 5. Eu adoro eles! E todos os 3 tem deficiência. O Matheus é surdo, e os nenéns tem deficiência visual, enxergam pouco. Depois o Ronaldo e a Maciléia apareceram, e todo mundo comeu aquele monte. Mais uma vez o Ronaldo que cozinhou, e aquele macarrão ficou perfeito! Depois meu amor teve que ir mais cedo, e de novo foi horrível me despedir dele. Depois nós cantamos, e deu pra rir muito. Por volta de 18 horas, eu, Adriele, os bebês, Ronaldo e Maciléia deixamos a casa deles. Eu fiquei na Adriele até na terça. Foi muito bom ficar lá. E assim, nós pudemos conversarmos ainda mais. Estamos super unidas, grudadas mesmo. Nós nos conhecemos há 16 anos, e tínhamos nos afastado, devido a correria da vida. Agora com o curso que voltamos a nos aproximarmos outra vez. Durante esta semana, nós estudamos coisas super interessantes no curso. Estudamos sobre vários assuntos, e na quarta-feira, fechamos a matéria de Fluxograma, que é mega interessante. Daí na quinta, nós assistimos um filme chamado "O Sorriso de Mona Lisa", que é mega interessante, adorei! Na sexta-feira, nós começamos uma nova disciplina. Segurança do trabalho, que foi dada por uma professora diferente. Seu nome é Schirley, e ela é super simpática. Logo no início, ela pediu que nos apresentássemos a ela de uma forma diferente. Quem faria nossa apresentação, seria nosso colega do lado, ou de trás. Aquilo foi super diferente. Gostei dela de cara! Ela é super engraçada! E super prestativa. É claro que tudo foi super diferente pra ela, afinal de contas, ela não estava acostumada com uma turma de deficientes, mas isso não foi impecílio para que ela interagisse conosco. Depois do intervalo, nós assistimos uma palestra sobre "Ergonomia", que é um tema bem interessante, depois colo o artigo aqui. Quem deu esta palestra foi o George, que também trabalha na Vale. Gostei muito da palestra, e eu nem sabia o que era Ergonomia. Durante a tarde, eu, Alice e Adriele andamos um pouco, para comprar algumas coisas para a tarde de Caldos que aconteceu no Braille. Depois de deixarmos as coisas lá mesmo, eu e a Adriele ainda fomos no centro comprar umas coisas, e depois eu fui pra casa dela me arrumar. Assim que ficamos prontas, fomos para o Braille, onde o som já estava a todo o vapor. O Ronaldo que tocou violão e cantou durante todo o evento. Meu amor também estava lá me esperando, e eu amei poder revê-lo! Deu para conversarmos muito. Por volta de 20:15, a Adriele foi cantar com o Ronaldo. Ela cantou as músicas: "Camaleoa", de Caetano Veloso, (mas nesta versão ele canta com Maria Gadu), "Tudo Diferente", maria Gadu, e como o povo pediu bis, ela cantou "Quando a Chuva Passar", Ivete Sangalo. Eu ainda fiquei lá coonversando e rindo por mais alguns minutos, e depois eu voltei pra casa. Só cheguei aqui quando já passavam de 22:00, porquê o ônibus demorou um tempão pra passar, e etc. Eu nem fiz nada, nem liguei pc nem nada disso. Estava morta de cansaço. No sábado, eu saí de casa cedo, e fui encontrar meu amor. Passamos o dia juntos, e foi perfeito! Quando estávamos almoçando no shopping Vitória, aconteceu uma coisa que me deixou muito brava. Uma mulher vem sei lá de onde, para a minha direita, e fala assim: "O papá de vocês tá bom? O garçom já veio ver vocês"? Só com estas duas perguntas eu já fiquei estressada. Eu não ligo que pergunte não, mais meu, pergunta direito! Nós não somos crianças, e não precisamos de babá poxa! Daí gente, como eu tento ser uma pessoa educada, respondi que estávamos bem. Mais quem disse que o interrogatório findou-se? Quem dera: "Como vocês sabem que aqui é o shopping? Vocês vem sozinhos? Aí eu já fiquei mais estressada ainda. Como assim, como que a gente sabe que ali era o shopping? Acho que na cabeça dela, cego não sabe onde está. Daí, ela se afastou, e nós continuamos lá, comendo e falando. Quando eu pensei que estava livre, quem aparece? Ela de novo, fazendo essas perguntas: "Vocês namoram? Moram juntos? Onde vocês moram"? Gente, eu fiquei super irritada com tudo aquilo, minha cara não tava boa não, mais acho que ela nem percebeu, e se viu, nem ligou. Eu acabei cutucando o Stéfhan, para que respondesse, senão eu daria uma resposta daquelas, e ele é super calmo, e foi responder a nossa investigadora de plantão. Aja saco, viu? Eu já tinha perdido o meu há tempos. Depois o Ronaldo apareceu, pois iríamos até uma Feira de Artesanato que estava acontecendo na Praça do Papa. Conversamos muito, e quando eu retoquei meu batom, a mulher inoportuna reaparece, e diz: "Nossa! Ela sabe passar batom! Que lindo"! Eu nem disse nada, pois seria melhor assim, mais eu estava passada. Que absurdo! Nós logo saímos dali, antes que eu realmente perdesse a boa educação que eu ainda tenho, e depois de encontrarmos com a Adriele e com o Matheus, nós fomos ver um celular lá que o Ronaldo queria, e depois fomos até uma joalheria, onde escolhemos nossa aliança! Ela é linda! É de prata, e em seu interior e em seu exterior tem várias pedrinhas que são minúsculas. Por este motivo, a minha não deu para gravar nada. Já a do meu amor, também é do mesmo modelo, só que totalmente lisa, e a dele é mais grossa que a minha, que é mais estreita. Na dele é possível se gravar algo, mas ele preferiu não fazê-lo, pois a minha não tem como fazer isso. Existia outro modelo de aliança que eu também gostei. Ela também era de prata, só que era bem mais grossa do que a minha. Como eu tenho a mão pequena, uma aliança daquelas não caiu bem não. Depois nós finalmente deixamos o shopping, e em vez de irmos a feira, fomos até a Praça dos Namorados, um local super popular aqui em Vitória. Lá nós 4 conversamos muito, enquanto o Matheus se divertia em meio as atrações da praça. Lá um cara nos abordou, e começou a nos fazer algumas perguntas. Ao contrário daquela mumlher no shopping, esta pessoa foi super light, e suas perguntas não eram tão ridículas assim, e o modo como foi perguntado, foi mega diferente de um para o outro. Ele estava realmente curioso, e é claro que nós esclarecemos suas intermináveis dúvidas. Depois nós fomos comer, e eu comi um bolo de chocolate com morango que ficou perfeito, maravilhoso! Não dava pra recusar, ainda mais eu, que sempre fui fã deles, os doces! Depois nós ainda assistimos uma apresentação de um grupo com fantoches, e depois voltamos pro shopping, onde pegamos um táxi, e meu amor me deixou em casa, e depois foi pro hotel. No domingo, meu amor chegou aqui mega cedo. Ele viria conhecer minha família. Eu estava um pouquinho nervosa. Sempre dá um frio na barriga, né, ainda mais no meu caso. Assim que eu acabei de me arrumar, ele já estava por aqui, e eu lhe entreguei uma carta com 7 páginas. Nem vou colar aqui, porquê ela é enorme. Ele adorou, e ficou super emocionado. Depois todo mundo ficou em cima dele, e parecia que ele era uma celebridade. Na hora do almoço, todo mundo comeu um monte. Tinha strogonoff de frango, e de sobremesa mousse de maracujá, e uma tia minha fez um bolo de baunilha, com cobertura de chocolate e coco. Meu Deus, como eu comi! Assim não há dieta que resista!! Depois nós ficamos conversando um pouco com todo mundo, e depois de um tempo, fomos até a varanda. Todos fizeram um círculo, e nós ficamos no meio. Eu fiz uma oração, pedindo as bênçãos de Deus, e o agradecendo por tudo. Depois ele colocou a aliança em mim, depois foi a minha vez. Depois todo mundo aplaudiu em peso! Depois nós ainda conversamos mais aquele monte, e quando eram umas 15:30, ele teve que se despedir, infelizmente. Na segunda-feira, assistimos há mais uma palestra. Dessa vez, foi dada pela turma de Técnico em Segurança do Trabalho, mais era de outro professor, o Paulo. A palestra foi sobre Ergonomia, mais falou mais sobre algumas doenças, tipo a Ler, (Lesão por Esforço Repetitivo), a Dort, e a Tendinite. A palestra foi super explicativa, e deu até pra fazer uma demonstração. Depois do intervalo houve outra palestra sobre a Diabetes, que também foi mega interessante, eu adorei! Depois algumas pessoas foram no Convencedor. Um simulador de impacto. No começo eu até queria ir, mais quando eu ouvi o barulho que aquilo fazia, eu desisti. Era um ruído horrível. Isso porquê ele estava em 12 km por hora. Se estivesse em mais, seria bem pior. Depois que a palestra acabou, nós voltamos para a sala, e ainda conversamos um pouco. Na quarta, nós tivemos mais uma aula externa. Mais uma vez foi com a turma do Paulo, que estava querendo testar um aparelho chamado de Trava Queda. Eu acabei indo fazer parte do teste, e foi super legal, adorei! Deu até pra tirarem foto! Depois do intervalo, nós assistimos um vídeo sobre a fábrica de calçados Asaléia, que ficava situada na Bahia. Nesta fábrica, vários funcionários tiveram seus dedos e membros do braço amputados ou decepados, pois não havia segurança alguma para eles, e também os mesmos estavam muitas vezes executando funções que não cabia a eles. E também os responsáveis pela fábrica não proporcionavam formação adequada a estes funcionários. Um dos absurdos que disseram no vídeo foi que os funcionários que queriam terem seus membros descepados ou amputados. Meu Deus, como que pode isso? Quem vai querer perder dedos, mão, ou até mesmo o braço por sua própria vontade? Ô desculpa mais esfarrapada! Depois de serem denunciados, a fábrica naquela região não existe mais. Só que esta é apenas uma. Será que não existem outras como ela espalhadas pelo Brasil a fora? Será que todas as fábricas disponibilizam formação e equipamentos de segurança adequados para seus funcionários? Não creio nisso. Eu só sei que este vídeo me revoltou muito. Depois quando eu fui beber água, acabei encontrando por acaso com a Carine, outra professora do Senai. Ela me pediu para que estivesse indo em sua turma, para dar uma palestra sobre conscientização. É claro que eu topei né, não poderia ser diferente. Depois que eu voltei pra sala, o Paulo apareceu, ficou olhando pra todo mundo, e depois disse assim: "Quem é a menina que foi na turma do Ronaldo? É uma menina que tem um blog. Eu imediatamente levantei a minha mão, e ele disse: "Você poderia vir comigo na minha turma? É claro que eu respondi prontamente que sim, depois de pedir autorização para a Schirley, que era a professora que estava dando matéria naquele momento. Depois que ela autorizou, nós demos apenas 2 passos, e já estávamos em sua sala, que é do lado da minha. Assim que entramos, a turma se silenciou, e eu fui para a frente. Ele se sentou em uma das carteiras da sala, e me pediu que contasse minha história, assim como fiz na turma do Ronaldo. O pedido foi prontamente atendido, e depois de falar sobre a minha vida, sobre a minha escola, eu também demonstrei qual é a forma correta de se conduzir um dv, e deixei o espaço aberto para que eles pudessem perguntar. Eles perguntaram várias coisas, e tudo foi devidamente respondido. Depois uma menina da turma, disse algo mais ou menos assim: "Eu vejo que você é muito feliz! Eu respondi: "Sim, eu sou mesmo feliz. Primeiramente porquê eu me aceito como eu sou. Depois porquê eu me amo. Antes de amar os outros, primeiro eu tenho que me amar, pois se eu não me amo, não posso amar ao próximo. Depois que eu disse isso, todo mundo me aplaudiu em peso, e eu fiquei vermelha e feliz! Também acabei me emocionando com o que eu mesma havia dito. É assim mesmo! Depois o Paulo disse que eles estão querendo fazerem um trabalho de conscientização dentro do Senai, e que nossa turma participará ativamente disso tudo. Eu até divulguei meu blog lá, e pelo que fiquei sabendo, tem muita gente o visitando. Antes de deixar a turma, eu fui abraçada por algumas pessoas, dentre elas a Bruna, a Fernanda e a Lindiane. Desculpem caso eu tenha me esquecido de alguém. Nesse mesmo dia, eu completei 1 mês de namoro, e é claro que esta data foi mais do que especial pra mim. Queria que ele pudesse ter estado em Vitória, mais infelizmente não foi possível. Infelizmente nós convivemos com a distância, que nos impede de estarmos juntos tantas vezes como desejamos. Não tem jeito, e precisamos suportarmos isso. Mesmo sendo extremamente difícil. No dia 12, eu acabei não indo ao curso, pois perdi a hora. Não gostei disso, mas não havia como voltar atrás. Durante a tarde, acabei dormindo um pouco, e depois escrevi uma carta pro meu amor, por causa do dia dos namorados. Infelizmente, também não nos vemos neste dia por causa do trabalho dele. Isso foi horrível, mais que nós poderíamos fazer? Nada né. Também aproveitei pra conversar com um super amigo meu do RJ, e foi super legal, falamos sobre vários temas super interessantes. Quando eram por volta de 18:00, meu celular toca, e para a minha surpresa era uma telemensagem mandada pelo meu amor. A mensagem foi linda, contou a nossa história. Depois eu até chorei, de tão emocionada que fiquei. Eu nem tinha palavras para expressar tudo o que estava sentindo naquele momento. Só queria poder estar com ele, só queria sentir seu abraço e seus beijos. Depois eu acabei tendo um problema no meu note, e nem pude estar retornando à rede. Depois eu colo aqui uma coisa que eu mandei pra ele por e-mail, senão o post fica maior do que já está. Ainda neste mesmo dia, nós conversamos muito, e aquilo me fez um bem absurdo. No dia 13, eu e a minha irmã completamos 3 anos de amizade, e me doeu muito não poder ter estado com ela, comemorando este dia, que para nós é muito especial. Ao longo de todo este tempo, passamos por inúmeras coisas. Vivemos momentos inesquecíveis. Superamos inúmeros obstáculos, inúmeras opiniões contrárias. Superamos a distância em nome do que nos une. Um sentimento que é capaz de ultrapassar as maiores dificuldades. Um sentimento que chamamos de amor! Irmãzinha, eu te amo! No fim de semana, meu amor não pôde estar vindo até Vitória, por conta de alguns problemas que ele teve de última hora. É claro que eu fiquei super triste com isso, mais não dava pra ele vir. Na segunda nós tivemos outra aula prática. Dessa vez, foi com a turma do Ronaldo. A mesma que eu havia ido dar a minha primeira palestra. No primeiro momento, nós fomos testar um material super interessante, chamado Luva Química. Este produto é uma espécie de creme, que é usado nas mãos, antes que a graxa toque a nossa pele. Usa-se este produto, para qe a graxa, ou outro material que seja de difícil reirada saia mais facilmente após ser utilizado. Uma coisa eu posso falar. Esse produto tem um cheiro agradável, e não irrita a pele. Pelo menos a minha não irritou. Daí eles explicaram alguns procedimentos de segurança quanto a utilização de alguns produtos, principalmente os de limpeza. Nós conversamos com eles, que foram super receptivos. Quem estava nos explicando eram o Marlonn, a Rose, e mais alguns, que infelizmente me esqueci os nomes, me desculpem. Depois do intervalo, nós retornamos a aula prática, e dessa vez nós fomos ver vários equipamentos de segurança, como os óculos de proteção, alguns tipos de luva, para cada tipo de produto, a faixa refletora, os capacetes, os protetores auriculares, as máscaras, as botinas e etc. Eu como sou extremamente curiosa, fiz questão de pôr a mão em tudo, e também tirei foto com todos os equipamentos que foram possíveis. Eu sou assim mesmo. Depois, nós ainda conversamos muito, e a Mirian viveu uma experiência super bacana. Vou divulgar ela aqui, pois creio que ela não vá se importar com isso. Ela fechou os olhos, pegou uma bengala, e a Adriele a guiou até a nossa sala. Foi um caminho não muito curto, mais que já deu a ela a sensação de ser uma dv, pelo menos por alguns minutos. Ao final, ela disse que se sentiu perdida, sem direção. É assim mesmo, pois quem enxerga, está acostumado a ver, e quando fica privado disso, sente-se perdido. Eu achei super legal essa experiência dela, e pelo que eu vi, ela também gostou. Acho que nem deu pra tirar foto. Depois que tudo foi concluído, eles nos agradeceram pela presença, e nós voltamos para a sala. No dia seguinte, tivemos outra aula prática. Dessa vez, foi com uma turma diferente. Seus nomes são: Adriele, Brenda, Caio, Daniela, Margarete, Raquel, Samara, dentre outros cujos nomes não me recordo. Fomos até o setor automotivo, e conhecemos um carro, e também aprendemos sobre vários tipos de estintores. Foi super legal esta explicação. Eu conversei muito com a Adriele e com a Brenda. A Adriele é doidinha, adorei, me fez rir muito! A Brenda também é super legal, adorei ela! Depois do intervalo, nós retornamos ao setor automotivo, e dessa vez, fomos cada um dos dvs, contarmos as nossas histórias. Eu fui a última. Até que eu não falei muito tá gente, foi legal, e todo mundo aplaudiu, não só a mim, mais a todos também. Diante de todas estas palestras que aconteceram no Senai por nossa causa, eu só falo uma coisa. Está havendo sim uma maior conscientização dos alunos e funcionários do Senai em relação a nós, os deficientes, principalmente os visuais. Eles estão nos ajudando bastante. Eu mesma posso comprovar isso, pois já fui ajudada por pessoas que eu nem fazia ideia que existiam ali dentro. Agora não somos mais a turma de "deficientes", somos a turma do Senai. As pessoas tem nos ajudado sim, e isso é fantástico. Tem algumas pessoas lá que me chamam de "A menina do blog", por causa do meu blog, que eu divulguei nas palestras que fiz. E isso é como uma bola de neve né, divulguei pra uns, que divulgaram pra outros, e daí deu nisso, todo mundo lá sabe do meu blog. Pra falar a verdade, nem acho isso ruim. É bom que as pessoas venham, e assim possam conhecer mais do universo de um deficiente visual. Um universo que para alguns é tão desconhecido como as profundesas do mar, ou a imensidão do céu. Na segunda-feira, eu retornei à rede, mas só através do celular. Não tinha conseguido retornar antes, pois meu Talks, tinha dado problema. Com a ajuda da Adriele, consegui resolver o problema. Estava morrendo de saudades da rede, e principalmente da minha irmã! Conversamos muito, e ela me deu uma notícia maravilhosa! Ela vai ser mamãe! Eu fiquei extremamente feliz e emocionada. Ela e o Fernando merecem isso e muito mais. Eles esperaram esse bebê por um super tempo. Estou amando ser tia! Já estou mega apaixonada por ele (a). Não tem como ser diferente! Na quinta, tive minha primeira aula de AVD, (Atividade da vida Diária), que é dada pela Luciana, que eu já conheço desde criancinha. Ela é super legal, e nesta aula, foram eu e mais 2 alunos. Neste primeiro dia, ela nos explicou o objetivo desta aula, que é o de nos ensinarmos a nos virarmos em nossas casas. Esta aula tem como tema principal, nosso aprendizado das tarefas da vida diária, como limpar uma casa, cozinhar, etc. Estou louca para aprender isso. Neste primeiro dia, ficamos mais na conversa mesmo. Na sexta, nós fizemos uma festa de despedida para a Schirley. Infelizmente, suas aulas com a nossa turma acabaram. Antes de começarmos a festa, nós ainda tivemos uma aula no 1º horário, sobre vários riscos, principalmente as queimaduras. Ela até citou uma pomada ótima para queimaduras, que é pouco conhecida, a Sulfadiazina de Prata. Esta pomada não é divulgada pelos meios de comunicação existentes hoje, ninguém sabe o motivo. Daí no intervalo nós chamamos a Schirley para o meio da sala, e dissemos que naquele dia era aniversário da Vânia. Depois acabamos revelando a ela toda a verdade, e ela ficou extremamente emocionada com tudo aquilo. Não era pra menos né gente. Enganamos ela direitinho! Cada um levou uma coisa, e fizemos aquela festinha basica. Depois que a Vânia disse algumas palavras, quem falou fui eu. Agradeci a Schirley por tudo, principalmente pela paciência, dedicação, simpatia com que sempre nos tratou. Ela acabou se emocionando com o que eu disse, e até eu mesma me emocionei. Faltou pouco para eu chorar. Depois mais algumas pessoas foram dizer algumas coisas, e no fim, fizemos uma oração. Depois começamos a comilança. A Vânia levou um bolo de prestígio que estava simplesmente maravilhoso, perfeito! Comi 2 pedaços. Não deu pra resistir. E a minha dieta, como que fica? Não teve como ficar sem comer, por mais que eu quisesse maneirar. Até a Fran apareceu lá. Depois de tanta festa, era hora de retornar ao conteúdo, que estava no fim. Fomos aprender a fazer RCP, (Ressucitação Cardio Pulmonar). Para isso utilizamos uma boneca, e cada um de nós foi tentar. Depois que a Schirley nos explicou o que deveríamos fazer, cada um foi tentar. Na minha vez, a boneca não ressucitou não. Não tive força o suficiente pra bater no pulmão dela, sei lá. Foi meio difícil, mais também não deixou de ser proveitoso. Ao fim da aula nos despedimos da Schirley com absoluta certeza de que havíamos sim aprendido muito ao longo de 3 semanas de convivência. Saímos de lá com a certeza de que os conteúdos ministrados em sala de aula, seriam levados conosco para nossas vidas pessoais e profissionais. Eu mesma pessoalmente, levarei tudo o que aprendi ali para o resto da minha vida. E é como eu digo sempre: "Tudo o que nos marca, jamais é esquecido de nossos corações". E foi isso o que a Schirley fez. Ela entrou, me marcou, e jamais será esquecida. No fim de semana, meu amor também não pôde estar vindo aqui, pois aconteceu uma festa em Santa Teresa, e por este motivo, ele teve que ficar trabalhando. É claro que eu fiquei super triste com isso, e ele também, mas não tínhamos o que fazer. Ele disse que a partir de agora, não vai mais pegar plantão aos fins de semana. Ele tem outros compromissos fora do hospital, e agora tem eu né, não dá para esquecermos isso. Na segunda, assistimos a uma palestra sobre treinamento em autura, com a turma do professor Gutemberg, que eu não conheço muito bem. Mas essa palestra não foi muito proveitosa não. Primeiro que as pessoas que estavam apresentando o trabalho, não se conscientizaram de que no meio dos ouvintes, havia uma turma de deficientes visuais. Elas não tiveram tato para explicar as coisas, que eram na maioria das vezes extremamente visuais. Graças a Deus, a Lindiane, da turma do Paulo, se sentou próximo a mim, e me explicou o que estava se passando na tela. Se não fosse ela, nem sei como faríamos. Certamente não faríamos nada. Teve uma hora, que nos entregaram um papel para que respondêssemos há algumas perguntas. A menina que nos entregou o papel, disse assim: "Eles enxergam"? E eu estava do lado dela, não tinha como ela fingir que não viu. Por quê ela não perguntou diretamente a mim? Não gosto de pessoas assim. Que pensam que cego não sabe responder, que não sabe conversar, que não pensa. Ô, eu sou cega, não surda ou muda! Nós deixamos logo o local, e nem voltamos para a 2ª parte da mesma. Não valeria apena. Na terça, eu tive a aula de AVD no shopping Vitória, e foi super legal. Dessa vez só fui eu, pois os outros alunos faltaram. Nós fomos até a Polly Shop, onde vimos várias coisas. A fritadeira sem óleo, Erfray, a panela elétrica, vários tipos de cafeteiras, a vassoura elétrica, o robô, a cadeira de massagem. Eu queria ter visto a panificadora, mas não deu. Depois nós ainda fomos atrás dela, mas no shopping ela estava em falta. Depois nós fomos no Subway, e comemos um lanche lá. Fomos eu, a Luciana e os meninos. No dia 3, foi aniversário da minha irmã, e como eu não pude estar na rede, desta vez por problemas nela mesma, eu deixei uma mensagem pra ela no facebook. Não poderia me esquecer desse dia. Ainda mais depois de tudo o que ela já fez por mim. Ela é maravilhosa, e precisava ser lembrada neste dia, mesmo que eu não pudesse estar fisicamente com ela. No sábado, eu saí com o meu amor, e foi mais do que perfeito, eu amei! Não existem nem palavras pra dizer como foi mágico, maravilhoso, o quanto foi perfeito estar com ele. No domingo, nós não nos vimos, por conta de alguns problemas, e é claro que isso foi ruim, mais que eu ia fazer? No dia 9, eu conheci várias pessoas diferentes. Eles fazem parte da Jocum, (Jovens com uma Missão). E foram até ao Braille para fazerem uma visita. Foi até engraçado quando nos encontramos. Eu estava saindo da sala de comunicação, e notei que havia um aglomerado enorme de pessoas. Como eu sou curiosa, fui até lá, e como eu sabia que estas pessoas estariam por ali, fui até uma delas, e a cumprimentei em inglês, com o pouco que eu sei. Apesar de não falar muito esta língua, consegui me comunicar numa boa com ela e com os demais. A primeira que eu conheci se chama Jessica e mora na Califórnia, Estados Unidos. A intérprete que estava ao lado dela se chama Ana Luíza. Depois todos fomos para o refeitório, onde o Carlos disse algumas palavras, depois a Beth falou mais algumas coisas, e depois os demais membros do grupo foram se apresentando. Havia ali a Diane, da Holanda, o Thomas, também da Holanda, a Maria, da Alemanha, a Abby, da Alemanha, a Rosca, da África do Sul, o Weine, dos Estados Unidos, a Ashley, dos Estados Unidos, e a Jessica, dos Estados Unidos. Também haviam os intérpretes: Ruth, do Rio de Janeiro, Leandra, Ana, Daniel e Carol que são daqui de Vitória. Todos são super legais, e explicaram que estavam ali para fazerem uma visita, e que neste mesmo dia, viajariam para o Rio de Janeiro. Eu estava conversando muito com a Jessica. Ela é loira, tem os cabelos lisos, finos e compridos, que batem no meio de suas costas. Ela é alta, maior do que eu. Ela tinha acabado de fazer 21 anos, e nós trocamos várias figurinhas. É claro que a maior parte do diálogo, foi feita com a ajuda da intérprete, pois eu mal falo inglês, e ela não domina muito bem o português. Mais deu tudo certo, e nós pudemos conversarmos muito. Deu até pra mexer no cabelo dela, claro com permissão dela mesma. Ela é super meiga, adorei! Depois o Thomas começou a tocar violão, e todos se puseram a cantar. Pelo que eu fiquei sabendo, eles já cantam juntos, e as vozes deles são super lindas juntas, formam um arranjo perfeito, capaz de agradar a qualquer ouvido. Seus tímbres juntos, são totalmente harmônicos, e suas canções são músicas de louvor a Deus. Eles só cantaram em inglês, mais nem por isso deixou de ser lindo e de me emocionar. Depois, o Ronaldo tocou a música "Meu amor" de Jorge Vercilo no violão, depois ele tocou "É Preciso Saber Viver" de Roberto Carlos. Depois eu, Adriele e Alice cantamos duas músicas, e fomos super aplaudidas. Deu até vergonha! Depois eu voltei até onde estava a Jessica, e deu pra falar um monte, também tirei foto com ela! Depois nós fizemos um círculo, e a Diana disse algumas palavras, depois ela pediu que para quem quisesse uma oração, levantasse a mão. Eu levantei a mão, e quem orou por mim foi a Maria, juntamente com a intérprete Carol. Ela tocou em um assunto super profundo, e quase que eu chorei lá. Foi Deus mesmo quem revelou isso a ela, pois não tinha como ela saber daquilo. Mais foi super positivo sabe, me senti bem mais leve depois da oração dela. Foi uma sensação maravilhosa, de paz, de liberdade. Depois que ela terminou de orar, eles pediram que fizéssemos um círculo, e eles ficaram a nossa volta, orando e correndo, de um lado para outro. Enquanto isso, o Thomas continuou tocando violão e cantando. Aquilo foi super legal. Depois, eles pediram mais uma vez para que levantássemos as mãos quem queria oração, e eu levantei mais uma vez. Quem orou por mim foi a Ashley, e suas palavras quase me levaram as lágrimas de novo. Quase não deu pra evitar. Depois que ela me disse coisas que eu jamais vou esquecer, nós conversamos um pouco, e ela também é super legal. Seus cabelos são lisos, levemente ondulados. Adorei! Depois eu acabei ouvindo a Jessica cantando e tocando violão. Ela canta e toca muito em! Adorei! Depois de conversar um pouco mais com eles, era hora de nos despedirmos. Não gostei muito disso, mais não tinha o que fazer infelizmente. Eles precisavam partir. Me despedi deles com a certeza de que tinha vivido um dos dias mais inesquecíveis da minha vida. Conheci pessoas diferentes, com culturas diferentes, mas que carregam em seus corações, o amor a Deus, e o desejo de levarem a palavra de Deus para os quatro cantos deste planeta. Este é um dos objetivos da Jocum, depois colo algumas coisas sobre esta organização aqui. Durante a semana retrasada e passada, estive de férias do curso, e isso foi ótimo, pois eu pude descansar. Eu vi meu amor no dia 19, e foi maravilhoso como sempre. Na hora de me despedir, foi horrível, eu não queria não, nem ele. Mais infelizmente não temos o que fazer. Amanhã minha rotina volta a sua normalidade. Acordar cedo, e ir pro curso. Depois eu tenho que reso,ver umas coisas a tarde. Também ando lendo muito, e logo mais eu volto aqui pra falar sobre isso. Um beijão para todos (as), fiquem com Deus! Qualquer coisa, eu volto!

Um comentário:

dorinnha radashy disse...

afe, que tamanho de post! bom, tinha um monte de coisas que eu não sabia, e de outras sim. sua vida realmente mudou muito em 2014, e o que mais me deixa feliz em tudo isso, é ver que vc se realizou, e isso é muito importante. e realmente a consientisação do povo a respeito da nossa deficiência é super importante, porque é difícil lidar com quem não sabe do assunto, com quem nos aborda de forma errada, puxa a gente pela bengala e etc. esse trabalho do senae é super importante. pena que nem todas as instituições pensam assim. bom, não vai dar pra comentar tudo não fia, senão vai ficar > que seu post! + qualquer atualisação vc posta que a gente lê!!!!!!! bjs!